Voltar

Capital nacional do amendoim fica no interior paulista

Pacata e agradável. Essa é a cidade de Jaboticabal, distante cerca de 370 km da capital São Paulo. Embora o nome possa enganar, as jabuticabeiras se foram há tempos. Deram lugar aos amendoinzais.

Hoje, o município – de 76 mil habitantes e cuja principal atividade econômica é a agricultura -, é considerado a capital nacional do amendoim.

O que era apenas uma alternativa ao plantio de cana acabou virando um negócio rentável para centenas de produtores locais. Prova disso é o fato de que a maior cooperativa de amendoim do país fica em terras jaboticabalenses: a Coplana – Cooperativa Agroindustrial. Em 2017/18, 22 mil hectares da leguminosa foram colhidos por 130

Cidade desenvolvida.jpg

produtores cooperados, que alcançaram uma produção de 95 mil toneladas - 22% a mais do que na última safra -, com uma produtividade média de 150 sacas/ha. A produção gerou uma renda de R$ 250 milhões de reais.

Foto_unidade_de_grãos_Coplana.JPG

O que antes era apenas um amontoado de terras ociosas por meses, se tornou uma mina de ouro para a Coplana, que passou a atuar fortemente na cadeia de produção da leguminosa junto aos seus produtores, disponibilizando, além de sementes de alta qualidade, uma equipe de engenheiros agrônomos e técnicos agrícolas com larga experiência na cultura e um departamento comercial para os mercados interno e externo escoando a produção com o melhor preço possível. Resultado, hoje, o amendoim representa de 50% da renda da cooperativa.

 

Em 1994, a Coplana implantou em sua sede de Jaboticabal uma unidade de grãos, que conta com uma estrutura física completa para acondicionar o produto. O armazém de 21 mil m² tem concepção moderna, com controle de umidade e temperatura, o que permite a padronização do amendoim comercializado ao longo do ano todo.

Com a estrutura, o amendoim pode ser colhido no campo com umidade entre 18% e 20% e ser secado artificialmente na indústria. Além disso, os problemas de toxina, devido a falha na recepção, são diminuídos enormemente. Até então, para que pudesse ser colhido, o produtor devia esperar que a umidade da leguminosa no campo atingisse 8%, o que representava grandes problemas, pois, até que esse valor fosse atingido, a lavoura ficava a mercê de intempéries climáticas, que poderiam vir a reduzir a produtividade.

Foto Walter Aparecido Luiz de Souza.JPG

Walter Aparecido Luiz de Souza é um dos cooperados da Coplana que utiliza a unidade de grãos para secagem e armazenamento de seu amendoim, cultivado anualmente nas áreas de renovação de seus canaviais. Ele conta que a estrutura permite antecipar a colheita. A leguminosa será colhida mais verde e os riscos decorrentes da exposição excessiva no campo serão eliminados. “Secando o grão na cooperativa, o controle de umidade será muito mais eficiente, me garantindo maiores produtividades.” 

"Em rotação com a cana, o amendoim agrega muito valor ao meu negócio.”

Anualmente, Souza planta 1000 hectares de amendoim em áreas de renovação de canavial, sendo que a média de produtividade é de cerca de 200 sacas/ ha. “É uma cultura muito importante para mim. Em rotação com a cana, agrega muito valor ao meu negócio.”